15/06/2022 às 12h30min - Atualizada em 15/06/2022 às 12h30min

Filho de Marcelo Queiroga é alvo de investigação do MPF para apurar suposto tráfico de influência

Procedimento investigativo foi aberto na terça-feira (14), após o MPF receber uma representação sobre a movimentação de Queiroguinha em agendas oficiais do Ministério da Saúde.

G1 PB
Marcelo Queiroga, ministro da Saúde, e seu filho, Queiroguinha — Foto: Reprodução/Instagram
O Ministério Público Federal (MPF) está investigando Antônio Cristóvão Neto, conhecido como Queiroguinha - pré-candidato a deputado federal (PL) e filho do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga - por suposto crime de tráfico de usurpação de função pública e tráfico de influência. A investigação foi aberta depois da divulgação de registros de Queiroguinha se apresentando em agendas oficiais como representante do governo.

O caso ganhou repercussão após O Globo publicar uma reportagem sobre a movimentação de Queiroguinha no gabinete da pasta do pai, e em agendas oficiais, como entrega de obras do Governo Federal, correspondentes ao Ministério da Saúde.

O g1 tentou falar com Queiroguinha por meio de redes sociais e de representantes do partido, mas não conseguiu contato.

De acordo com a reportagem, além de percorrer cidades do interior da Paraíba para entregar obras, Queiroguinha, que também é estudante de medicina e tem 23 anos, teria levado prefeitos à sede do Ministério da Saúde, em Brasília, para reuniões com seu pai, o ministro Marcelo Queiroga.

Segundo a assessoria de imprensa do MPF na Paraíba, o órgão recebeu, através da Sala de Atendimento ao Cidadão, uma representação para análise e tomada de providências a respeito do suposto cometimento de crimes de usurpação de função pública e tráfico de influência. O procedimento investigativo foi aberto ainda na terça-feira (14).

Ainda de acordo com o MPF, a denúncia foi analisada pelo procurador distribuidor, que determinou a instauração de notícia de fato. O suposto fato deve ser averiguado por gabinete com atuação criminal geral, e pode ser encaminhado à Procuradoria Regional Eleitoral.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »