04/05/2023 às 19h41min - Atualizada em 04/05/2023 às 19h41min

Caso Lorrayne: júri popular do acusado de matar modelo paraibana é adiado pela segunda vez

G1
oto: Instagram/Reprodução
Foi adiado o júri popular do acusado da morte da modelo paraibana Lorrayne Damares da Silva, que aconteceria nesta quinta-feira (4), no Tribunal do Júri da Comarca de Cabedelo, na Grande João Pessoa. De acordo com advogado de acusação, Robério Capistrano, o júri popular irá acontecer no dia 23 de maio, às 8h30. Essa é a segunda vez que o júri é adiado.

O crime aconteceu em dezembro de 2020, em Lucena, no Litoral Norte da Paraíba. Kennedy Ramon Alves Linhares era ex-namorado da vítima na época do crime e não aceitava o fim do relacionamento. Ele responde por homicídio qualificado, com a qualificadora de feminicídio.

A sessão será presidida pela juíza titular da 1ª Vara Mista, Thana Michelle Carneiro Rodrigues e serão ouvidas quatro testemunhas listadas pelo Ministério Público.

Ao ser preso, em dezembro de 2020, o homem confessou o crime e disse que já havia ameaçado a modelo anteriormente.

O suspeito informou a Polícia Civil que estrangulou a jovem para "contê-la" e "acabou perdendo a noção da força" durante uma briga. Depois, Kennedy levou o corpo da modelo e jogou embaixo de uma ponte da BR-230, nas proximidades da região conhecida como Café do Vento, no município de Sobrado.

Kennedy Ramon Alves Linhares, 32 anos, chegando a Central de Polícia de João Pessoa — Foto: Reprodução/TV Cabo Branco

Kennedy Ramon Alves Linhares, 32 anos, chegando a Central de Polícia de João Pessoa — Foto: Reprodução/TV Cabo Branco


Relembre o caso

Após uma semana desaparecida, o corpo de Lorrayne, de 19 anos, foi encontrado em avançado estado de decomposição no dia 20 de dezembro, às margens do Rio Paraíba, nas proximidades da região conhecida como Café do Vento, no município de Sobrado.

Segundo informações da Polícia Civil da Paraíba, ela tinha ido com o namorado para uma casa de veraneio no município de Lucena, região metropolitana de João Pessoa, e essa teria sido a última vez que ela foi vista com vida.

No dia 19 de dezembro de 2020, em uma ação conjunta da PRF, da Polícia Civil da Paraíba e da Polícia Militar da Bahia, Kennedy Ramon Alves Linhares foi preso na cidade de Eunápolis, extremo sul da Bahia.

Kennedy Ramon Alves Linhares foi preso pela PRF na Bahia enquanto fugia para Santa Catarina — Foto: Divulgação/Polícia Rodoviária Federal

Kennedy Ramon Alves Linhares foi preso pela PRF na Bahia enquanto fugia para Santa Catarina — Foto: Divulgação/Polícia Rodoviária Federal


O suspeito confessou o crime ao ser preso e disse que já tinha ameaçado a paraibana. Teria sido Kennedey quem indicou o local onde deixou o corpo, após matá-la.

Após o crime, o suspeito iniciou uma viagem para Santa Catarina, onde “recomeçaria a vida”.

Kennedy já tinha passagem pela polícia pelos crimes de porte ilegal de armas, tráfico de drogas e por violência doméstica. De acordo com o delegado João Paulo Amazonas, responsável pelo caso, existia um relacionamento abusivo.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »